Política

Líder do PSDB defende dissolução da Comissão de Ética Pública

Diante do arquivamento do procedimento aberto contra a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, pelo uso do helicóptero da Polícia Rodoviária, o Líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy, defendeu a dissolução da Comissão de Ética Pública da Presidência da República por entender que o colegiado teve sua função invertida – em vez de aplicar a legislação que rege a conduta dos agentes da alta administração federal, serve apenas para limpar a barra dos auxiliares da presidente Dilma Rousseff. “É a Comissão da Ética da presidente”, diz. O Líder do PSDB afirmou que a decisão da Comissão de Ética contrasta com a do Ministério Público Federal de Santa Catarina, que abriu investigação sobre o mesmo caso e anunciou, ainda em janeiro, o ajuizamento de ação por improbidade administrativa contra a ministra e a devolução de R$ 35 mil pelo uso da aeronave. Imbassahy afirmou também que irá protocolar nesta terça-feira representação no Ministério Público Federal para que essa discrepância nas decisões seja apurada. A ação também será assinada pelo Líder do Democratas, Mendonça Filho (PE), que ficou igualmente indignado com o arquivamento por parte da Comissão de Ética. O Líder do PSDB também classificou como “deboche” o arquivamento do presidente da Comissão, José Américo Lacombe, sobre o pedido que o PSDB apresentou, no final de janeiro, para que o colegiado avaliasse os procedimentos ocorridos na escala da presidente Dilma e comitiva em Lisboa, que seria mantida em sigilo, mas foi descoberta pela imprensa. O Líder do PSDB à época, Carlos Sampaio (SP), afirmou que Lacombe sequer tinha lido a representação. Informações Política Livre

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo