Política

Coluna do Claudio Santana: Coitado do gato

“Onde está o dinheiro?
O gato comeu, o gato comeu…
E ninguém viu…
O gato fugiu…”

Nos anos 80 esse era o refrão de um grande sucesso cantado por Gal Costa que, apesar de passados tantos anos, ainda é lembrada e entoada quando fatos semelhantes aos que estamos vivenciando atualmente em Governador Mangabeira ocorrem e tornam-se do conhecimento público.

Mas afinal de contas, onde está o dinheiro? Já se passaram mais de 30 dias que o recurso foi retirado da conta do FUNDEB!

Bom, ninguém melhor para responder a esse questionamento, senão a própria prefeita do município. Isso mesmo, a prefeita é quem deve saber onde está o dinheiro, pois é quem tem, ou pelo menos deveria ter, a responsabilidade pela gestão e correta aplicação dos recursos municipais.

Logo, a pergunta a ser feita e que todos nós esperamos uma resposta é: ONDE ESTÁ O DINHEIRO PREFEITA?

É a senhora sim quem tem que responder. Mas por favor, não me venha colocar a culpa no gato!

Aliás, as perguntas que a senhora precisa responder são muitas. Desde o por que de não haver rateio para os professores, da péssima qualidade da merenda escolar que é fornecida dia sim dia não, da falta transporte para os alunos… até mesmo quais eram os planos para a utilização desse recurso que estava “guardado”?

Diga-nos a verdade, ao menos dessa vez… a qual finalidade seriam realmente destinados esses recursos? Por acaso a senhora tinha planos de aplicá-los na conclusão daquela imponente obra no bairro Projeto?

De certo, a dúvida paira no ar. Inicialmente esperava-se que a nota à imprensa prestando informações sobre o ocorrido e que se tornou a versão oficial dos fatos viesse a esclarecer alguma coisa mas, pelo amor de Deus, nem com muita boa vontade dá pra acreditar que o propósito da mencionada nota era o de esclarecer à sociedade o que estava acontecendo. Pelo contrário, gerou mais dúvidas que esclarecimentos.

E aí, todos, pasmados, ficamos a nos perguntar: foi necessário um intervalo de 7 dias para que a prefeita tomasse conhecimento de que meio milhão de reais haviam sido subtraídos das contas do FUNDEB? Pois é, o desvio dos recursos se deu no dia 12/04 e ela só veio a saber no dia 19/04. E esses funcionários trabalharam ainda mais uma semana como se nada tivesse acontecido? Sem nenhum constrangimento ou sentimento de culpa? É de se questionar ainda se o setor financeiro da prefeitura não realiza o acompanhamento dos saldos das contas municipais. Será também que a Secretária de Educação teve conhecimento dos fatos? Ou só ficou sabendo que a sua senha também havia sido usada “sem o seu consentimento” ao mesmo tempo que a prefeita? Por qual motivo foram imediatamente exonerados apenas dois dos três funcionários envolvidos? Quem acompanha sabe que a exoneração da terceira pessoa, denominada pelo jornal A Tarde de cúmplice arrependida só foi publicada dez dias depois – com data retroativa como de praxe. Estaria havendo proteção por parte do governo a essa funcionária? Por qual motivo? Quero acreditar que não, mas minha modesta capacidade de entendimento me deixa confuso ao ver que a Portaria 09/2013 constituiu a Comissão do Processo Administrativo Disciplinar para investigar apenas o Marcos Fernando e a Gleicia, deixando a Jamile de fora!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo