NotíciaSaúde

Número de bebês sem vacina contra sarampo é o maior em 20 anos; OMS alerta sobre risco de surtos

O número de bebês que perderam a primeira dose da vacina contra o sarampo em 2020 deu o maior salto em 20 anos, o que eleva o risco de novos surtos, segundo relatório divulgado nesta quarta (10) pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos.

No total, 24 campanhas de vacinação contra o sarampo planejadas para o ano passado foram adiadas no mundo, por causa da pandemia de Covid. A doença é grave em crianças e pode provocar a morte, afirmou o diretor de imunização global do CDC, Kevin Cain.

Bebê de pijaminha e touca dorme deitado em cama de hospital
Bebê com sarampo é tratado em hospital infantil em Sanaa, no Yemen – Mohammed Huwais – 21.mar.2021/AFP

O Brasil é um dos países em que a queda na imunização infantil preocupa, segundo o diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações Renato Kfouri. “De 2015 até início de 2019, a média de cobertura vacinal era de 90%, 95%. Em 2019, abaixou para 80% e, na pandemia, isso caiu para perto de 70%”, diz ele.

Para Cain, do CDC, os países precisam agir rapidamente para aumentar a cobertura de imunização antes que viagens e circulação voltem aos níveis pré-pandemia, porque o sarampo é um dos vírus mais contagiosos do mundo, embora seja quase totalmente evitável por meio da vacinação.

Segundo a OMS, a ameaça de surtos cresceu mesmo com a queda de 80% no número de casos relatados da doença, porque a pandemia dificultou a vigilância sanitária, e houve redução no número de amostras enviadas a laboratórios, atingindo o menor número em dez anos.

No total, chega a 22 milhões no mundo o número de crianças não vacinadas, um aumento de 3 milhões em comparação com 2019. Deixaram ainda de receber a segunda dose 70% delas, bem abaixo da meta de 95%.

“As evidências indicam que estamos vendo a calmaria antes da tempestade”, disse Kate O’Brien, diretora de imunização da OMS. Segundo ela, o desvio de recursos e equipes para combater a Covid é prejudicial: “Corremos o risco de trocar uma doença mortal por outra”.

Nos últimos 20 anos, estima-se que a vacina contra o sarampo evitou mais de 30 milhões de mortes em todo o mundo. As mortes estimadas por sarampo caíram de cerca de 1,07 milhão em 2000 para 60,7 mil em 2020.

A redução na vacinação, porém, já vinha ocorrendo antes da pandemia, segundo o diretor do Unicef para imunização, Ephrem Lemango. “Até mesmo pequenos bolsões de baixa cobertura de imunização contra o sarampo poderiam alimentar surtos sem precedentes, inclusive em países onde a doença foi considerada erradicada”, disse ele.

Fonte: Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo