Política

Ex-mulher informou ao Itamaraty que foi ameaçada de morte por Bolsonaro

A segunda ex-mulher do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), Ana Cristina Valle, afirmou em 2011 ao Itamaraty que foi ameaçada de morte por ele e que isso a levou a deixar o País para viajar para a Noruega.O relato consta em um telegrama reservado arquivado no órgão, divulgado pela Folha nesta terça-feira (25). Na época, Bolsonaro e Ana Cristina travavam uma disputa judicial no Rio de Janeiro sobre a guarda do filho do casal, à época com cerca de 12 anos.“A senhora Ana Cristina Siqueira Valle disse ter deixado o Brasil há dois anos [em 2009] ‘por ter sido ameaçada de morte’ pelo pai do menor [Bolsonaro]. Aduziu ela que tal acusação poderia motivar pedido de asilo político neste país [Noruega]”, informa o telegrama.Atualmente Ana Cristina usa o sobrenome “Bolsonaro” e é candidata a deputada federal pelo Podemos. Ela apoia a candidatura do ex-marido ao Planalto e considerou “superado” o episódio na Noruega, ainda que admita ter sido pressionada por ele à época.Duas fontes ouvidas pela reportagem e o então embaixador, Carlos Henrique Cardim, que assina os textos, confirmam a íntegra dos documentos.Conforme reportagem da Folha, Bolsonaro mobilizou o Itamaraty, em 2011, como deputado federal, para que o órgão intercedesse depois que Ana Cristina viajou para a Noruega com o filho do casal. Em 2011, o órgão localizou e manteve contato com Ana Cristina a pedido de Bolsonaro.A afirmação dela sobre a suposta ameaça de morte consta em um telegrama de julho de 2011 enviado a Brasília pela Embaixada Brasileira em Oslo e escrito pelo embaixador Cardim, a partir de informações prestadas pelo vice-cônsul na Noruega.Fonte:bahia.ba

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo