Geral

Trabalhadores em situação de escravidão são resgatados na Bahia

Um grupo de trabalhadores rurais, totalizando 19 homens, foram resgatados nesta segunda-feira, 27, da fazenda Vitória, no município de Ribeirão do Largo, no sudoeste da Bahia, onde eram mantidos em condição semelhante à de escravos. As informações foram divulgadas nesta terça-feira, 28, pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Nesta terça, os lavradores foram atendidos na sede do Fórum da cidade de Itambém para regularização de documentos e para receber as guias para receber o seguro-desemprego.

A operação foi  realizada pela Comissão Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo da Bahia, com  a participação de equipes do Ministério Público do Trabalho (MPT), Secretaria de Inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho do Brasil (MTB), Secretaria da Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Estado (SJCDH) e PRF .

Dos 19 trabalhadores, apenas um tinha a carteira de trabalho assinada. Eles dormiam em casas sem energia, água encanada, banheiros e sem acesso a água potável. O grupo também trabalhava sem equipamentos de proteção, como luvas e máscaras para aplicação de produtos agrícolas. As camas eram improvisadas e feitas pelos próprios agricultores, que levavam de casa colchões e roupas de cama.

“O que vimos nessa fazenda é um amplo conjunto de irregularidades que, somadas, configuram claramente a submissão desses trabalhadores à condição de escravos contemporâneos. Por isso, retiramos eles da propriedade e iniciamos imediatamente os procedimentos para a garantia de apoio financeiro e social enquanto tentamos junto ao proprietário obter o pagamento das rescisões de contrato de trabalho e a indenização tanto de cada trabalhador, quanto da sociedade, por danos morais”, explicou o procurador do MPT Ilan Fonseca, por meio de nota.

Segundo informações da PRF, o valor total das rescisões é superior a R$ 40 mil, mas o MPT ainda vai cobrar o pagamento de danos morais coletivos e cada trabalhador poderá recorrer para receber por danos morais.

 

Fonte: A Tarde

 

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo