Emprego

Emprego doméstico volta a crescer no Brasil, mostra IBGE

O contingente de trabalhadores domésticos voltou a aumentar no início de 2015. Ao todo, 6,019 milhões de pessoas estavam nesta condição de ocupação no primeiro trimestre deste ano, contra 5,929 milhões em igual período do ano passado, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta quinta-feira, 07, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "O trabalho doméstico vinha caindo com a maior formação dos jovens brasileiros. No último ano, porém, temos percebido aumento nesse grupamento, talvez por falta de oportunidade", afirmou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do órgão. Segundo ele, a elevação não deve ser resultado da PEC das Domésticas, que incentiva a formalização na categoria. "Está muito mais relacionado à falta de oportunidades de emprego em outras atividades do que à PEC das Domésticas. A PEC tem potencial para mudar a estrutura, mas não interfere muito na ocupação em si", explicou. A formalização de fato aumentou em um ano. Os empregos com carteira entre os domésticos subiu a 32,3% no primeiro trimestre de 2015, contra 31,5% em igual período do ano passado. Levando em conta o setor privado, o porcentual de trabalhadores com carteira assinada atingiu 78,2% no primeiro trimestre contra 77,7%, do mesmo período do ano passado. Apesar da melhora em termos relativos, o estoque de trabalhadores com carteira diminuiu em números absolutos, para 46,113 milhões em todo o Brasil. "Há avanço da formalização, ainda que se tenha perdido postos de trabalho", afirmou Azeredo. O maior índice de formalização no setor privado foi verificado no Estado de Santa Catarina (90,1%), enquanto o menor foi verificado no Piauí (53,3%). A população ocupada no Estado de São Paulo diminuiu 0,8% no primeiro trimestre de 2015 ante o quarto trimestre de 2014, para um contingente de 21,452 milhões de trabalhadores. Já a população desocupada cresceu 20,1% no período, somando 1,980 milhão de pessoas na fila por um emprego. A taxa de desemprego ficou em 8,5% nos primeiros três meses deste ano em São Paulo. O resultado é o maior da série histórica, iniciada em janeiro de 2012, e também fica acima da média nacional para o período (7,9%). "A alta do desemprego em São Paulo segue o movimento nacional de aumento da taxa", explicou Azeredo. O rendimento médio real em São Paulo somou R$ 2.401,25 no primeiro trimestre de 2015, alta de 2,0% ante o último trimestre de 2014 e crescimento de 2,2% em relação aos primeiros três meses do ano passado

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo