DestaqueGeralNotícia

Filme sobre o milagre que canonizou Irmã Dulce será exibido no Youtube

Sessões serão transmitidas de forma gratuita no canal do Santuário Santa Dulce de sexta (29) a domingo (31)

O documentário A Luz na Escuridão, que narra a história do milagre que canonizou Irmã Dulce, tornando-a a primeira santa nascida no Brasil, será exibido no canal do Santuário Santa Dulce no Youtube, em sessões gratuitas, nesta sexta (29) e sábado (30), após a transmissão da missa das 16h, e no domingo (31), após a celebração das 8h30. 

Produzido pela Mandacaru Filmes e dirigido por Toni Couto, o filme acompanha a trajetória do baiano José Maurício Moreira, que aos 22 anos teve o diagnóstico de um glaucoma, descoberto tardiamente e já em estado avançado. O tratamento, que durou dez anos, não foi suficiente para impedir a cegueira.  Maurício ficou totalmente cego dos dois olhos e assim permaneceu por mais de 14 anos, quando, após um impressionante acontecimento de fé, voltou a enxergar.

O milagre foi o segundo da freira baiana validado pelo Vaticano, cumprindo-se assim a última etapa de sua Canonização – a terceira mais rápida da história (27 anos após o falecimento do Anjo Bom), atrás apenas da Canonização do Papa João Paulo II (9 anos após sua morte) e de Madre Teresa de Calcutá (19 anos após seu falecimento). Irmã Dulce foi canonizada no dia 13 de outubro de 2019, em cerimônia presidida pelo Papa Francisco na Praça São Pedro, no Vaticano.

“A história real desse baiano é o ponto de partida para um filme sobre amor, solidariedade, acessibilidade, superação e fé. Maurício trabalhava com informática até que o glaucoma lhe deixou completamente cego aos 32 anos de idade. Nessa nova condição, ele teve que se reabilitar: aprendeu a andar de bengala, retomou o sonho de viver da música, tornou-se maestro e acabou conhecendo o grande amor da sua vida. E após 15 anos na escuridão, graças a um milagre, ele voltou a enxergar. Portanto, o documentário nos convida a imergir nesse incrível universo, resultando em uma experiência sensorial que tem três elementos como matrizes para sua expansão criativa: o som, a luz e a escuridão”, ressalta Toni.

O documentário foi contemplado pelo Edital de Arranjos Regionais do Fundo Setorial para o Audiovisual (FSA), através da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult), na chamada pública realizada em 2016.

Fonte: Correio

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo