Educação e Cultura

Brasil sedia, pela primeira vez, Congresso Internacional de Matemática

Começa hoje (1º), no Rio de Janeiro, no RioCentro, o Congresso Internacional de Matemáticos (ICM 2018, na sigla em inglês), que vai reunir, até o dia 9, cerca de 2.500 pesquisadores dos cinco continentes.A agenda terá 1.200 palestras, painéis de debates e comunicações, além de 40 eventos científicos paralelos em todo o país, como o World Meeting for Women in Mathematics, o (WM)2 que discutiu ontem (31) questões de gênero na matemática.O primeiro ICM foi realizado em 1897, em Zurique, Suíça. Ele é organizado a cada quatro anos pelo país-sede em parceria com a União Matemática Internacional (IMU).Esta é a primeira vez que o encontro ocorre em um país do hemisfério sul. No Brasil, o evento integra o Biênio da Matemática do Brasil 2017-2018, parte das ações nacionais e internacionais destinadas, entre outros objetivos, a incentivar o estudo da disciplina, popularizá-la e promover atividades que contribuam para aproximá-la do público.O diretor geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), Marcelo Viana, também presidente do Comitê Organizador do ICM 2018, explica que o Brasil passa por um momento histórico e de reconhecimento do avanço das pesquisas na área conquistadas pelo país.“Há 70 anos praticamente não havia pesquisa em matemática no país. [O avanço] já foi reconhecido no começo do ano quando o Brasil foi promovido ao grupo 5, o grupo máximo da União Matemática Internacional, que reúne as 11 nações mais avançadas na área”, afirma.Para Viana, a escolha do Brasil como sede também faz parte desse reconhecimento. Ele destaca que o objetivo principal do ICM 2018 é ser um instrumento para ajudar a popularizar a matemática e torná-la mais próxima da sociedade.“Estamos convidando escolas para participar do evento, com atividades desenhadas para crianças e professores, e acredito que vai ser um grande sucesso, vai ter um impacto significativo nessa aproximação da matemática com a sociedade brasileira. O Biênio foi a realização desse objetivo que nós tínhamos já ao apresentar a candidatura para o congresso, é um evento charmoso, que chama a atenção”, argumenta.Durante nove dias, haverá mesas redondas sobre temas como distribuição de gênero, história da matemática, desenvolvimento da matemática nos países em desenvolvimento e o impacto que a tecnologia tem na matemática.“Uma pergunta que está começando a assustar a gente é se máquinas vão ser capazes de provar teoremas daqui a pouco, isso vai causar desemprego generalizado na minha tribo. São discussões normalmente com conteúdo técnico. Mas algumas têm pretensões políticas, como a questão da publicação, porque quando o matemático publica, ele não ganha nada com isso e cede os direitos para as editoras, que ganham bastante dinheiro com isso”, diz Viana. Fonte Agencia Brasil

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo