Polícia

Fotógrafos são agredidos durante a saída de Sininho e outros dois ativistas da prisão

Após ter pedido de soltura aceito pelo desembargador Siro Darlan, do Tribuna de Justiça do Rio de Janeiro, os ativistas Elisa Quadros, a Sininho, Camila Jourdan e Igor D’Icarahy foram libertados por volta das 18h10, em clima de confusão. Houve tumulto entre a imprensa e manifestantes que foram acompanhar a saída do grupo do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu e fotógrafos foram agredidos ao tentar fazer imagens do trio. "Para uma pessoa que está presa com razão, um minuto na cadeia é uma tortura. Um minuto a mais para quem está preso sem ter que estar [preso] é um terror. Estas pessoas não eram para ter ficado presas sequer um minuto", disse Marino D’Icarahy, pai de Igor e advogado de alguns dos manifestantes presos. Apenas dois dos 23 denunciados por atos de violência em protestos continuam presos: Caio Silva e Fábio Raposo, acusados de disparar o artefato que atingiu o cinegrafista da Band, Santiago Andrade, em fevereiro deste ano. Informações G1

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo