COVID-19

Anvisa recebe primeiro dados sobre análise de eficácia de vacinas contra Ômicron

No início deste mês a Anvisa solicitou às desenvolvedoras de vacinas autorizadas no Brasil, informações sobre os estudos em andamento e deu um prazo de uma semana para o envio de dados. A agência exige que os laboratórios monitorem e avaliem o impacto das variantes na eficácia e na efetividade dos imunizantes. A solicitação foi encaminhada aos laboratórios Pfizer, Butantan, Fiocruz e Janssen.

O prazo para as empresas se manifestarem terminou nesta quarta (8). A Pfizer e Fiocruz encaminharam as estratégias que estão sendo tomadas, em resposta ao ofício.

O Instituto Butantan solicitou prazo até segunda-feira (13). O instituto aguarda algumas discussões e definições internas para que possam responder ao ofício. Já Janssen ainda não se manifestou.

De acordo com a Anvisa, a Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos vai avaliar os dados encaminhados e continuará o monitoramento dos estudos relativos à variante Ômicron.

Ao sinalizar que acompanha o cenário epidemiológico da prevalência da variante Ômicron, a Anvisa destaca que a ausência das informações solicitadas pode prejudicar a manutenção da atual autorização da agência.

“Importante esclarecer que a avaliação experimental completa da Ômicron pode levar semanas ou até meses. Entretanto, os desenvolvedores de vacinas devem manter a vigilância permanentes dos seus imunobiológicos frente ao aparecimento da variante de preocupação”, traz a Anvisa.

Na nota divulgada pela Anvisa, o órgão ressalta que a variante Ômicron contém muitas mutações da proteína spike, bem como mutações em outras partes do genoma viral, com indicações iniciais que sugerem que essa variante pode ser mais transmissível.

“Reforçamos, baseados em tudo o que sabemos, que as nossas vacinas continuam sendo nossa melhor linha de defesa e todos que ainda não receberam sua primeira ou segunda dose da vacina, ou aqueles que são elegíveis para seu reforço, são encorajados a se apresentar para ajudar a proteger a si próprio e ao coletivo”, afirmou a Anvisa.

Fonte: Bahia Noticias

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo