Mundo - Mídia Recôncavo
Recôncavo, Sábado , 20 de Julho de 2019
Enquete
Entre Aspas
Seja amor,seja muito amor. E se mesmo assim for difícil ser, Não precisa ser perfeito, Se não der pra ser amor, Que seja ao menos respeito. #CultiveORespeito
  Disse Desconhecido  
Mundo
Foto : Reprodução/Globo

Pelo menos 21 mineiros morreram no desabamento de uma mina de carvão em Lijiagou, na província de Shaanxi, no centro da China, hoje (13). Segundo a agência estatal de notícias Xinhua, uma parte da mina, onde trabalhavam 87 pessoas, veio a baixo por motivos que ainda estão sendo investigados. As equipes de emergência conseguiram resgatar 66 pessoas. As minas chinesas, especialmente as de carvão, que é a principal fonte de energia do país, registram alta taxa de acidentes e estão entre as mais perigosas do mundo. Fonte: Metro 1 

Foto: Reprodução / ESO

Astrônomos detectaram, pela segunda vez na História, ondas de rádio misteriosas e ultracurtas no espaço sideral profundo, e especialistas sugerem que elas podem ser evidências de vida alienígena. A nova descoberta foi feita por uma equipe canadense e publicada na revista "Nature". As Rajadas Rápidas de Rádio (RRR, ou Fast Radio Bursts, em inglês), que são pulsos de ondas de rádio de milissegundos, têm origem desconhecida. No entanto, de acordo com a maioria dos cientistas, elas são geradas por poderosos fenômenos astrofísicos que surgem a bilhões de anos-luz fora de nossa galáxia, como os buracos negros ou estrelas de nêutrons superdensas se fundindo. Outros especialistas, como o professor Avi Loeb, do centro de astrofísica de Harvard-Smithsonian, sugerem que esses achados podem ser evidências de tecnologia alienígena avançada. Esta é a segunda vez na História que mais de 60 RRRs são registradas em repetição. Elas foram detectadas pela primeira vez por acidente em 2007, quando foi observada uma explosão de ondas em dados de radioastronomia. Fonte: Metro 1

Foto: Jonathan Miranda

Os ministros do Supremo Tribunal de Justiça do México decidiram reduzir seus próprios salários em 25%. Segundo informações da agência de notícias AFP, os vencimentos mensais deles em 2018 eram de aproximadamente US$ 29,9 mil. A decisão foi tomada após iniciativa do novo presidente do país, Manuel López Obrador, que reduziu o seu salário a 40% do que ganhava seu antecessor e passou a ganhar US$ 5,5 mil por mês. Ele chegou ao poder com um discurso de austeridade e contra excessos de gastos. "A Corte Suprema concordou, como medida de racionalidade dos gastos públicos, que a remuneração dos 11 ministros seja reduzida em 25%", diz comunicado do Supremo mexicano. O texto diz ainda que regulava "a remuneração de seus membros sob os princípios de eficiência, eficácia, economia, transparência e honestidade que a própria Constituição estabelece".

Foto: Ministère de l'Intérieur

Manifestantes voltaram às ruas de Paris e de outras cidades francesas hoje (5) para uma nova onda de protestos liderados pelos "coletes amarelos" contra o presidente Emmanuel Macron, na primeira grande mobilização de 2019 no país. Segundo os manifestantes, o movimento quer destacar as dificuldades que a população enfrenta para sobreviver. O grupo surgiu no final do ano passado e se voltava inicialmente contra o aumento dos preços dos combustíveis. Depois, a pauta foi ampliada com reivindicações contra a política social e fiscal do governo. O governo criticou a convocação de novos atos, que classificou de insurreição, e disse que chegou o momento do país voltar à ordem.

Em todo o país, as manifestações tiveram gritos de "fora Macron" e "fim da injustiça tributária" e, na capital, houve confronto entre parte dos manifestantes e forças de segurança. Não foram divulgados, porém, o número de feridos ou de detidos. O presidente francês enfrenta uma grave crise de popularidade. Segundo dados divulgados nesta semana, 75% da população francesa desaprova o governo de Macron. Desde o início do movimento, mais de 1,5 mil pessoas ficaram feridas, 53 delas gravemente, entre os manifestantes, e quase 1,1 mil entre as forças de segurança. Além disso, dez pessoas morreram, principalmente em acidentes nos bloqueios de estradas. Fonte: Metro 1

Foto: Reuters

O Parlamento venezuelano, que é controlado pela oposição, declarou, neste sábado (5) que o novo mandato de Nicolás Maduro é ilegítimo. O novo governo terá início na próxima quinta-feira (10).  “Reafirmamos a ilegitimidade de Nicolás Maduro […]. A partir de 10 de janeiro estará usurpando a Presidência e, consequentemente, esta Assembleia Nacional é a única representação legítima do povo”, disse o novo presidente do Legislativo, Juan Guaidó, após tomar posse do cargo. A Assembleia Nacional da Venezuela, na prática, tem funcionado sem poderes de legislar. O Parlamento se reúne apenas quando a Assembleia Constituinte – que toma decisões sobre calendário eleitoral e eleições legislativas – não está em sessão. Fonte: Bahia.Ba

Foi criada neste sábado a Igreja Ortodoxa da Ucrânia na Turquia, formalizando uma cisão com a Igreja Ortodoxa da Rússia, à qual estava ligada desde 1686. O Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, assinou os "tomos" (decretos) em Istambul diante de clérigos e do presidente ucraniano Petro Poroshenko. Isso faz com que os clérigos ucranianos tenham de escolher entre a igreja apoiada por Moscou e a nova igreja, conforme a disputa entre forças do governo e rebeldes apoiados pela Rússia continua se arrastando no leste da Ucrânia. "A devota população ucraniana tem esperado por este dia abençoado por sete séculos completos", afirmou Bartolomeu I em seu discurso. O patriarca, considerado "primeiro entre iguais" no Cristianismo Ortodoxo, disse que os ucranianos podem, agora, desfrutar do "presente sagrado da emancipação, independência e autogoverno, libertando-se de toda intervenção externa". Poroshenko agradeceu Bartolomeu I "pela coragem de tomar essa decisão histórica" e disse que "entre as 15 estrelas das igrejas Ortodoxa do mundo, uma estrela ucraniana apareceu", referindo-se ao número atualizado de igrejas que não respondem a uma autoridade externa. No mês passado, líderes Ortodoxos Ucranianos aprovaram a criação de uma nova e unificada igreja, separada do Patriarcado de Moscou. Em outubro, a decisão de Bartolomeu I de conceder à igreja ucraniana autocefalia, ou independência, enfureceu Moscou, e a igreja russa estreitou laços com Istambul, centro do mundo Ortodoxo. Kiev tem feito pressão por uma igreja livre da influência de Moscou, pedido que se intensificou após a anexação da Crimeia pela Rússia em 2014. Presidente desde aquele ano, Poroshenko defende a criação da igreja enquanto faz campanha para as eleições de 31 de março. Apesar da igreja não fazer parte do Estado formalmente, está ligada de perto. Fonte: A tarde

Foto: Reprodução / Globo

O Papa Francisco teve nesta quarta-feira (2) a primeira audiência semanal de 2019. E, ao brincar com artistas de circo, acabou produzindo uma imagem muito simbólica do ano difícil que passou. O Papa Francisco voltou a sorrir. Foi nesta quarta-feira (2), na primeira audiência do ano, na sala Paolo VI, no Vaticano. Inicialmente, ele falou aos presentes sobre a fé cristã. Disse que é melhor ser ateu do que um cristão hipócrita. E aconselhou a todos o "revolucionário" evangelho. Na segunda-feira (31), na missa do ano novo, o Francisco já tinha proposto uma renovação na igreja que, segundo ele, corre o risco de se tornar um lindo museu do passado, se os católicos perderem a fé. Nesta quarta, integrantes de um circo cubano se aproximaram do pontífice, e a alegria caribenha o contagiou. Animado, Francisco até tocou a bola. Um início positivo para quem viveu um ano difícil. O Papa Francisco sofreu muitos ataques por parte de cardeais ultraconservadores. Houve muitas denúncias de abuso sexual, renúncias, e sua equipe ficou desfalcada. O último ato de um ano hostil ao Papa, aconteceu no último dia de 2018. O pedido de demissão do porta-voz da Santa Sé, o americano Greg Burke, e da vice dele. O Papa nomeou o jornalista Alessandro Gisotti para o cargo de porta-voz. Os próximos três meses serão muito importantes para o Papa Francisco. A reunião sobre a pedofilia no clero, em fevereiro, e a aprovação de uma nova constituição apostólica poderão mudar o futuro da igreja. Fonte: G1

Foto: DR

Um comerciante da cidade de Sarzana, na Itália, chamado Giulio Soresina, começou a cobrar 10 euros de clientes que quiserem provar os sapatos e as roupas de suas lojas. O valor, que é descontado do preço final caso a compra seja efetuada, é uma forma de evitar que as pessoas entrem nas lojas apenas para experimentar as peças e depois adquiram o mesmo produto, por um preço mais barato, na internet. Soresina dirige dois negócios no centro da cidade há 33 anos e anunciou a iniciativa com diversas placas nas vitrines. "Tinha gente que voltava várias vezes, provava, media, fotografava e não comprava", explica. "Chegamos ao ponto de fazer o cliente experimentar 14 pares de sapato em uma mesma manhã, sem vender nenhum", continua. "Eu coloquei as placas para afastar os espertinhos, e desde quando peço 10 euros, muitos foram embora e as vendas aumentaram", conclui. Fonte: ANSA

Foto: Andrea Hanks/The White House

O presidente americano, Donald Trump, fez uma visita surpresa hoje (26) para as forças americanas no Iraque. É a primeira viagem do mandatário as tropas estacionadas no exterior em uma zona de combate. A visita acontece em meio ao "shutdown", uma paralisação do governo americano, e menos de uma semana depois do anúncio de Trump da retirada das tropas americanas da Síria e de metade dos estacionados no Afeganistão. A decisão do mandatário resultou no pedido de demissão do secretário da Defesa dos EUA, Jim Mattis. De acordo com Trump, as tropas foram retiradas da Síria porque os EUA venceram o Estado Islâmico. Na visita ao Iraque, o presidente americano escolheu ir a uma base militar localizada em Mosul, cidade em que o líder do grupo rebelde declarou o início de seu califado. De acordo com a Casa Branca, Trump ainda faria mais um parada durante a viagem, mas o destino ainda não foi divulgado. Fonte: Metro1

Foto: Reprodução / Youtube

Brett McGurk, enviado americano para a coalizão de combate ao Estado Islâmico, renunciou neste sábado (22) ao cargo em protesto contra a decisão do presidente Donald Trump de retirar os cerca de 2.000 soldados dos EUA que estão na Síria. McGurk fica no cargo até o próximo dia 31 -ele planejava sair em fevereiro. É a segunda baixa do governo Trump ligada à decisão de retirar as tropas da Síria. Na quinta (20), o secretário de Defesa, Jim Mattis, anunciou que deixaria o posto no final de fevereiro por considerar que suas visões sobre política externa não estavam "alinhadas" com as do republicano. Um dia antes, a Casa Branca anunciou que havia derrotado o Estado Islâmico na Síria e que, por isso, estava retirando os soldados americanos que estavam no país. Na Síria, as tropas dos EUA basicamente assessoravam uma milícia de tropas árabes e curdas. No início de dezembro, McGurk havia declarado que o grupo extremista estava longe de ser derrotado, apesar de ter perdido terreno na Síria."Ninguém trabalhando nessa questão dia após dia é condescendente. Ninguém está declarando missão cumprida", afirmou em um comunicado do Departamento de Estado. "Derrotar um califado físico é uma fase de uma campanha de prazo muito longo", disse. McGurk foi escolhido para o cargo em 2015 pelo presidente Barack Obama, e mantido por Trump. A retirada dos militares da Síria enfrentava oposição no Pentágono, com autoridades afirmando que representaria uma traição aos aliados curdos que combateram ao lado dos EUA no país. Eles estariam sob ameaça de uma ofensiva militar da Turquia. A Turquia considera as forças curdas apoiadas pelos americanos um grupo terrorista, por causa de sua conexão com o PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão). Os sírios curdos, que controlam cerca de 30% da Síria, querem criar uma região autônoma no nordeste da Síria. Autoridades do Pentágono avaliam ainda que uma saída abrupta dos EUA poderia levar a um fortalecimento do EI. O grupo já perdeu cerca de 90% das áreas que ocupava na Síria e no Iraque. Um relatório de uma autoridade do Departamento da Defesa calcula que haveria cerca de 30 mil membros do grupo na Síria e no Iraque. Na quinta-feira, um dia após o anúncio, Mattis entregou o cargo a Trump. Na carta de renúncia, ele afirmou que suas visões sobre tratar aliados com respeito e também manter os olhos abertos a agentes malignos e competidores estratégicos são firmes e baseadas em quatro décadas de imersão no assunto. "Porque você tem direito de ter um secretário de Defesa cujas visões são melhor alinhadas com as suas nesses assuntos e em outros, eu acredito que é certo para mim deixar minha posição", escreveu. Fonte: Bahia Notícias

Entrevistas
Vem aí uma série de entrevistas com personalidades do nosso Recôncavo
Mídia TV
Caçamba invade barraca de fogos e deixa mortos e feridos em Muritiba
Mural de Recados
Tarsila escreveu para Joseane
"Vdd eu tbm eu quero saber tbm de todas as notícias desses anos que esta acontecendo muitas coisas ai è bom saber das coisas primeiro..."
Joseane Bonfim escreveu para Anderson Bella
"Ola, tudo bem? Sou Joseane Bonfim e estou fazendo uma pesquisa sobre os blogs da região de SAJ, o Midia Reconcavo se encaixa na categoria de Blog?"
Podcast
Spot - Câmara de Cruz das Almas
Escute o Spot da Câmara de Vereadores de Cruz das Almas.