Política - Mídia Recôncavo
Recôncavo, Segunda , 20 de Maio de 2019
Enquete
Entre Aspas
Seja amor,seja muito amor. E se mesmo assim for difícil ser, Não precisa ser perfeito, Se não der pra ser amor, Que seja ao menos respeito. #CultiveORespeito
  Disse Desconhecido  
Política
Tacio Moreira / Metropass

O governador Rui Costa (PT) está em Brasília (DF) nesta terça-feira (26) para participar de reunião de 27 chefes dos Executivos estaduais, o Fórum dos Governadores. O ministro da Economia, Paulo Guedes, que desistiu de ir a uma audiência na Câmara Federal, nesta terça, para explicar a reforma da Previdência, deve estar no evento para discutir com os gestores. "O tema em Brasília hoje é a Bahia e os demais estados brasileiros. Estamos num diálogo franco e muito importante com o ministro da economia, Paulo Guedes. Os estados precisam ser fortalecidos", escreceu Rui Costa, no Twitter. De acordo com o jornal Valor Econômico, a pauta do fórum é ajuda financeira aos estados, mas ainda não se sabe se o governo vai anunciar alguma medida de apoio aos caixas.

Foto: Reprodução

Na noite da última sexta-feira (22), o prefeito de São Félix, no Recôncavo baiano, Alex Sandro (MDB), entregou para a população uma quadra poliesportiva na comunidade da Caanga. Moradores que participaram do evento ficaram impressionados com a falta de participantes na entrega da obra que contou em grande maioria com a presença de vereadores e funcionários da prefeitura. Após enviar fotos um leitor que preferiu não se identificar revelou que no evento não tinha 40 pessoas. “O prefeito comprovou sua impopularidade nesse evento. A gestão tá precária. A educação não existe e o resultado foi esse. Nem os funcionários querem participar”, afirmou o morador.

Informações do Recôncavo Online

AG/BR

Em entrevista à Rádio Band News de Brasília o ministro da Justiça e Segurança Pública (MJSP), Sergio Moro comentou o clima tenso que vem se acentuando entre ele e presidente da Câmara Federal, o deputado Rodrigo Maia. De acordo com o ex-juiz o fato está sendo: “Supervalorizado. Rusgas são normais. Já conversamos e cabe ao presidente (Bolsonaro) definir com o presidente da Câmara Rodrigo Maia”, disse e completou ao refletir que para questões políticas é necessário ter “paciência”. Um assunto pontuado foi a decisão do Superior Tribunal Federal (STF) que passou casos de caixa dois ligados à corrupção para as mãos da Justiça Eleitoral: “Eu já tinha manifestado, com todo o respeito ao STF, que não foi a melhor decisão. A Justiça Eleitoral não está preparada para a demanda. Mas temos que respeitar as decisões tomadas pelo STF”. Sergio Moro também foi perguntado sobre a sua mudança de postura no tocante a empreender carreira política. No passado o então juiz da Lava-Jato afirmara categoricamente que “não queria ser político” e acabou assumindo o MJSP. “Foi uma opção feita com muita reflexão. Foi difícil abandonar 22 de magistratura. Tenho recebido quase todos os dias, parlamentares e tem havido muito diálogo. É bem diferente do trabalho de um juiz”, afirmou ao explicar que pretende fazer um trabalho focado também na Segurança Pública. Uma das novidades trazidas à tona foi a intenção do ministro em trazer para o Brasil um método de integração órgãos de Segurança Pública dos Estados Unidos, chamada Fusion Center. Neste modelo, que teve início depois do atentado que derrubou as Torres Gêmeas, em Nova York, nos Estados Unidos, várias agências de segurança juntam informações para assegurar melhoramento de inteligência e operações. Moro se espantou quando questionado se pretendia concorrer à Presidência da República: “Nossa 2022 parece que vai ser daqui a 20 anos. Não tenho nenhuma pretensão nesse sentido”, enfatizou e finalizou ao afirmar que a reforma da Previdência Social e a aprovação do pacote de leis anticrime devem ser as pautas mais focadas.

Agencia Brasil

O crescimento econômico gerado pela reforma da Previdência beneficiará principalmente os 50% mais pobres da população. A conclusão consta de relatório da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, divulgado em Brasília. No mês passado, o órgão tinha distribuído nota técnica na qual calculou que a economia cresceria 3,3% em 2023 com a aprovação total da reforma da Previdência, 2,3% com a aprovação parcial e encolheria 1,8% com as regras atuais. Segundo o documento, a aprovação integral das novas regras poderia gerar até 8 milhões de empregos formais nos próximos quatro anos, mas o ministério não tinha divulgado a distribuição desse crescimento por classes sociais. Agora, a SPE detalhou o impacto positivo da expansão da economia decorrente da reforma, conforme o nível de renda da população. O levantamento dividiu a população em 10 segmentos, em que o menor corresponde aos 10% mais pobres; e o maior, aos 10% mais ricos, e analisou o aumento da renda em cada faixa em dois cenários. O estudo considerou o crescimento médio de 3% ao ano da economia até 2023, no caso de aprovação total da reforma, e retração média de 0,5% ao ano no mesmo período, sem mudanças nas regras. De acordo com a nota técnica, a renda per capita cresceria mais entre os 50% mais pobres da população: de 3,07% por ano em média para o segmento entre 40% e 50% mais pobres a 3,48% por ano para os 10% mais desfavorecidos. Entre os 50% mais ricos, a renda per capita também subiria, mas em ritmo menor: de 3% ao ano para a faixa entre 40% e 50% mais ricos a 2,63% ao ano entre os 10% mais ricos. “A Nova Previdência traz ganhos a todos os brasileiros, mas favorece, particularmente, aqueles com renda mais baixa, cuja renda média terá maior aumento. As condições econômicas geradas pela Nova Previdência, elevando o emprego, reduzindo a informalidade e estimulando investimentos são fundamentais para o desenvolvimento de uma economia capaz de garantir condições mais seguras aos mais pobres no hoje e no amanhã”, destacou o documento da SPE. Empregos formais Conforme o levantamento, dois fatores beneficiarão as camadas mais pobres da população. Em primeiro lugar, o crescimento da economia aumenta a criação de empregos formais e reduz a informalidade, que afeta 91,64% dos 10 % mais pobres e apenas 18% dos 10% mais ricos, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a SPE, até 8 milhões de empregos com carteira assinada seriam criados caso a reforma da Previdência fosse aprovada na totalidade. A segunda razão para o crescimento da economia ter efeitos mais benéficos sobre as menores faixas de renda é a possibilidade de que a inclusão no mercado formal de trabalho aumente os gastos dessas famílias em educação e saúde.

O Presidente da camará dos deputados Rodrigo Maia (DEM) avisou na quinta-feira (21) ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que deixará a articulação política pela reforma da Previdência. Maia tomou a decisão após ler mais um post do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), com fortes críticas a ele. Irritado, o deputado telefonou para Guedes e disse que, se é para ser atacado nas redes sociais por filhos e aliados de Bolsonaro, o governo não precisa de sua ajuda. A ligação do presidente da Câmara para o titular da Economia foi presenciada por líderes de partidos do Centrão. Maia está irritado com a ofensiva contra ele nas redes, com a falta de articulação do Palácio do Planalto e com a tentativa do ministro da justiça Sergio Moro, de ganhar mais protagonismo na tramitação do pacote anticrime."Eu estou aqui para ajudar, mas o governo não quer ajuda", disse o presidente da Câmara, segundo deputados que estavam ao seu lado no momento do telefonema. "Eu sou a boa política, e não a velha política. Mas se acham que sou a velha, estou fora." Carlos Bolsonaro, o filho "zero dois" do presidente, compartilhou na quinta-feira nas redes a resposta de Moro à decisão de Maia de não dar prioridade agora ao projeto que prevê medidas para combater o crime organizado e a corrupção.

Dinaldo dos Santos

Diversas centrais sindicais se reúnem, na manha desta sexta-feira (22) no canteiro central da Rótula do Abacaxi e segue para Av Acm, onde farão um protesto como parte da paralização nacional contra a reforma da previdenciária. De acordo com o sindicato dos Rodoviarios , os ônibus não deixaram de circular na capital baiana. A possibilidade de paralisação chegou a ser cogitada na tarde de quinta-feira (21/3). O presidente do Sindicato e vereador, Hélio Ferreira, confirmou a informação durante entrevista ao Aratu On. Segundo ele, apenas representantes da categoria que não estão em serviço realizam o protesto. “Não é uma paralisação, é uma manifestação”, refutou. O vice-presidente do sindicato, Fábio Primo, também se pronunciou. “Ainda não é uma paralisação, se trata de uma mobilização nacional”, disse. A manifestação se dá por conta da votação da reforma da Previdência. O governo calcula que o projeto vai permitir uma economia de R$ 800 bilhões a R$ 1 trilhão nos próximos 10 anos. Por se tratar de uma projeto de emenda constitucional (PEC), a reforma da Previdência precisa ser votada em dois turnos na Câmara e no Senado, com o apoio de no mínimo três quintos dos deputados e dos senadores em cada votação.

Agencia Brasil

 

A Força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro prendeu, na manhã desta quinta-feira (21/3), Michel Temer, ex-presidente da República. Os agentes ainda tentam cumprir um mandado contra Moreira Franco, ex-ministro de Minas e Energia. Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Temer é preso três meses após deixar o poder. É o segundo ex-presidente do Brasil que vai para a cadeia.  Suspeita de recebimento de propina de R$ 1 milhão da Engevix. Desde  a última quarta-feira (20/3), a Polícia Federal (PF) tentava rastrear e confirmar a localização de Temer, sem ter sucesso. Por isso, a operação prevista para as primeiras horas da manhã desta quinta-feira atrasou.

MARCELO CAMARGO

 De volta ao Brasil após visita aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro se preparDe volta ao Brasil após visita aos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro se prepara para a segunda viagem internacional neste mês. Ele desembarca em Santiago, no Chile, nesta quinta-feira (21), para participar, ao lado de chefes de Estado de países da América do Sul, da cúpula que pretende marcar a retomada de negociações em torno da integração da região.

A reunião na capital chilena marcará o anúncio oficial do Prosul, projeto idealizado para substituir a União de Nações Sul-Americanas (Unasul), paralisada há mais de dois anos.

Integram o Prosul Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Costa Rica, Nicarágua, Panamá e República Dominicana.

A proposta idealizada pelo presidente chileno, Sebastián Piñera, tem formato mais enxuto e é menos onerosa a todos. Os presidentes devem anunciar o aval à nova composição ainda na sexta-feira, após a reunião.

Estrutura - O Prosul não deve manter a atual estrutura da Unasul, ao buscar soluções mais leves para o aparato que hoje inclui uma sede física em Quito, no Equador, além de secretariados e quadro de funcionários.

As nações que compõem o Prosul entenderam que a Unasul, da forma como funcionou desde seu lançamento em 2008, perdeu efeitos práticos, mantendo custos, e passou a disputar decisões sobre temas que já são tratados em outras instâncias, como o Mercosul.

Sem avanços na Unasul na prática, acordos negociados atualmente por meio do Mercosul (bloco que reúne Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela, que está suspensa temporariamente) garantiram, por exemplo, a implantação de área de livre comércio entre países do Mercosul e os sul-americanos que integram a Aliança do Pacífico, com exceção do México que ainda mantém restrições sobre algumas áreas.

Diferenciação - O Prosul não deve ter um tratado e não será um organismo, como a Unasul. A ideia é seguir os moldes de um agrupamento de países no formato de um fórum. Para o Brasil, o projeto da integração é fundamental para ampliar as trocas comerciais e atrair investimentos.

Não há expectativa de que o novo formato já seja apresentado neste encontro. A declaração de alto nível deve se limitar à formalização da intenção dos países em torno dessa nova proposta e tende a marcar a oficialização de saídas da antiga estrutura. À medida que os países anunciam que não participam mais da Unasul, pelas regras internacionais, precisam se manter por seis meses no organismo.

 a para a segunda viagem internacional neste mês. Ele desembarca em Santiago, no Chile, nesta quinta-feira (21), para participar, ao lado de chefes de Estado de países da América do Sul, da cúpula que pretende marcar a retomada de negociações em torno da integração da região.

A reunião na capital chilena marcará o anúncio oficial do Prosul, projeto idealizado para substituir a União de Nações Sul-Americanas (Unasul), paralisada há mais de dois anos.

Integram o Prosul Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Costa Rica, Nicarágua, Panamá e República Dominicana.

A proposta idealizada pelo presidente chileno, Sebastián Piñera, tem formato mais enxuto e é menos onerosa a todos. Os presidentes devem anunciar o aval à nova composição ainda na sexta-feira, após a reunião.

Estrutura - O Prosul não deve manter a atual estrutura da Unasul, ao buscar soluções mais leves para o aparato que hoje inclui uma sede física em Quito, no Equador, além de secretariados e quadro de funcionários.

As nações que compõem o Prosul entenderam que a Unasul, da forma como funcionou desde seu lançamento em 2008, perdeu efeitos práticos, mantendo custos, e passou a disputar decisões sobre temas que já são tratados em outras instâncias, como o Mercosul.

Sem avanços na Unasul na prática, acordos negociados atualmente por meio do Mercosul (bloco que reúne Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela, que está suspensa temporariamente) garantiram, por exemplo, a implantação de área de livre comércio entre países do Mercosul e os sul-americanos que integram a Aliança do Pacífico, com exceção do México que ainda mantém restrições sobre algumas áreas.

Diferenciação - O Prosul não deve ter um tratado e não será um organismo, como a Unasul. A ideia é seguir os moldes de um agrupamento de países no formato de um fórum. Para o Brasil, o projeto da integração é fundamental para ampliar as trocas comerciais e atrair investimentos.

Não há expectativa de que o novo formato já seja apresentado neste encontro. A declaração de alto nível deve se limitar à formalização da intenção dos países em torno dessa nova proposta e tende a marcar a oficialização de saídas da antiga estrutura. À medida que os países anunciam que não participam mais da Unasul, pelas regras internacionais, precisam se manter por seis meses no organismo.

 

Diego Oliveira

A prefeita Vera Lúcia da cidade de Maragojipe recebeu a visita do diretor de Operações do Interior da Empresa Baiana de Água e Saneamento – EMBASA, Ubiratan Cardoso, que esteve acompanhado pelo gerente Regional da Unidade de Santo Antônio de Jesus, Gideone Almeida, no Gabinete da Prefeitura, na manhã desta terça-feira (19). O objetivo da visita foi trazer informações sobre as medidas que a Embasa vem tomando para solucionar o problema no fornecimento de água do município.

A construção da adutora provisória que vai captar água do manancial dos Paranhos, que fica localizado nas Embaíbas, zona rural de Maragojipe, será finalizada ainda hoje e fornecerá água para a população pelos próximos 20 dias. A obra tem caráter emergencial e servirá como complementação na distribuição. Além disso, 15 carros-pipas estarão reforçando o abastecimento nos quase 40 reservatórios instalados na sede e nos distritos.

Ainda na reunião, o diretor de Operações do Interior afirmou que a obra de construção da adutora permanente que trará água de Pedra do Cavalo, em Muritiba, para Maragojipe, será iniciada já na próxima segunda-feira (25). Segundo Ubiratan Cardoso, uma parte do material já está armazenado na Estação de Tratamento de Água – ETA de Muritiba e outra parte será trazida de Salvador. A escavação para canalização será iniciada ainda esta semana.

De acordo com a Embasa a obra terá um investimento de R$ 12 milhões com recursos próprios que serão aplicados em 23 quilômetros de tubulação para canalização da água que já chegará na ETA de Maragojipe tratada, pronta para distribuição. “Nesse momento de crise e estiagem atípica, estamos iniciando esta obra que vai resolver de forma definitiva o problema no abastecimento de água da cidade de Maragojipe e dos distritos de Nagé e Coqueiros”, afirma o diretor.

Ubiratan Cardoso ressaltou ainda que com a interligação do sistema de Muritiba ao de Maragojipe, a comunidade rural da Rodagem também será beneficiada e garantiu que, em breve, a Embasa também estará viabilizando o abastecimento da comunidade de Capanema.

A prefeita Vera Lúcia ressaltou que esta obra foi viabilizada através de muitos esforços do município por meio de diversas reuniões com a Embasa e o Governo do Estado. “O Executivo juntamente com o Legislativo Municipal uniram forças para solucionar este problema da falta de água que afetou a população maragojipana e que será resolvido definitivamente a partir de agora”, disse.

Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro, que está em Washington, nos Estado Unidos, afirmou que apoia a ideia do mandatário americano Donald Trump de construir um muro na fronteira do país com o México, e que a maioria dos imigrantes não tem boas intenções.

"Nós vemos com bons olhos a construção do muro", afirmou Bolsonaro em entrevista à Fox News, nesta segunda (18). "A maioria dos imigrantes não tem boas intenções."

A declaração de Bolsonaro foi feita no mesmo dia em que o presidente dispensou os cidadãos dos Estados Unidos da necessidade de visto para viajar ao Brasil. A dispensa também vale para os visitantes da Austrália, do Canadá e do Japão.

Neste sábado (16), o filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que acompanha o pai nos EUA, deu declaração polêmica sobre imigrantes. Segundo ele, os brasileiros que vivem ilegalmente no exterior são uma preocupação do governo porque são "uma vergonha" para o país. "O brasileiro que vem pra cá [EUA] de maneira regular é bem-vindo. Brasileiro ilegalmente fora do país é problema do Brasil, é vergonha nossa", declarou.

Sobre a situação da Venezuela, o presidente disse à Fox que o Brasil tomaria rumo parecido se continuasse sendo comandado por governos petistas. Pouco antes da entrevista, durante discurso, Bolsonaro disse que o Brasil conta com o apoio e a capacidade bélica dos Estados Unidos para "libertar o povo" da Venezuela.

Entrevistas
Aniversário da Cidade: Ex-prefeito Antonio Pimentel faz avaliação sobre o cenário político e revela propostas para Governador Mangabeira
Mídia TV
VT - Moderna Gestão e Assessoria
Mural de Recados
Tarsila escreveu para Joseane
"Vdd eu tbm eu quero saber tbm de todas as notícias desses anos que esta acontecendo muitas coisas ai è bom saber das coisas primeiro..."
Joseane Bonfim escreveu para Anderson Bella
"Ola, tudo bem? Sou Joseane Bonfim e estou fazendo uma pesquisa sobre os blogs da região de SAJ, o Midia Reconcavo se encaixa na categoria de Blog?"
Podcast
Spot - Câmara de Cruz das Almas
Escute o Spot da Câmara de Vereadores de Cruz das Almas.